_ “MACACO INFINITO”
_ “O Tempo Morto É Um Bom Lugar"
_ “Zero À esquerda“
_ “Somos Todos Um Bocado Ciganos”
_ “Uma Mentira Mil Vezes Repetida”
_ “AS SEREIAS DO MINDELO”
_ “aonde o vento me levar”
_ “Porto: Orgulho e Ressentimento”
_ “Os Olhos do Homem que chorava no rio”
_ “o silÊncio de um homem sÓ”
_ “OS FANTASMAS DE PESSOA”
_ “A MENINA GIGANTE”
_ “Oito Cidades e Uma Carta de Amor”
_ “PAIXÕES & EMBIRRAÇÕES”
_ “SERTÃO DOURADO”
_ “O AMOR É PARA OS PARVOS”
_ “As mulheres deviam vir com livro de instruções”
_ “Nome de Tango”
_ “Portugués, guapo y matador”
_ “O homem que julgou morrer de amor/O casal virtual”





“Simplesmente, nas mãos deste ficcionista
a história ganha asas, transforma-se
num relato vigoroso”.
Fernando Venâncio
Jornal de Letras


“Não há que duvidar: Manuel Jorge Marmelo
tem as pequenas malícias que fazem
os grandes escritores”.
Idem

“Do autor surge-nos agora uma narrativa
que o confirma, efectivamente, enquanto um
dos novos valores da nossa literatura”.
Pedro Teixeira Neves
Semanário


“Manuel Jorge Marmelo maneja com enorme
à-vontade os recursos da língua, oferecendo
à narrativa um bem conseguido pendor lúdico
que habilmente tempera com um humor discreto
e subterrâneo”.
Idem

“Há no romancista um profundo gozo da
escrita e uma pulsão incontrolável para
efabular e narrar histórias, qualidades
que tão frequentemente andam arredadas de
quem exerce o ofício da escrita”.
Nogueira Gil
Público


“Uma bem humorada novela parapolicial”.
Público

“Uma aposta no norte.
Um para-policial irónico”.
O independente