_ “MACACO INFINITO”
_ “O Tempo Morto É Um Bom Lugar"
_ “Zero À esquerda“
_ “Somos Todos Um Bocado Ciganos”
_ “Uma Mentira Mil Vezes Repetida”
_ “AS SEREIAS DO MINDELO”
_ “aonde o vento me levar”
_ “Porto: Orgulho e Ressentimento”
_ “Os Olhos do Homem que chorava no rio”
_ “o silÊncio de um homem sÓ”
_ “OS FANTASMAS DE PESSOA”
_ “A MENINA GIGANTE”
_ “Oito Cidades e Uma Carta de Amor”
_ “PAIXÕES & EMBIRRAÇÕES”
_ “SERTÃO DOURADO”
_ “O AMOR É PARA OS PARVOS”
_ “As mulheres deviam vir com livro de instruções”
_ “Nome de Tango”
_ “Portugués, guapo y matador”
_ “O homem que julgou morrer de amor/O casal virtual”





"Manuel Jorge Marmelo escreve sobre personagens que se perdem ou desaparecem na poeira do mundo".
José Mário Silva no suplemento Atual do Expresso.

"Marmelo coloca na escrita uma imaginação prodigiosa, juntando a arte de contar boas histórias a um cuidado notório no trabalho da linguagem."
Sara Figueiredo Costa na revista Blimunda

"Quem conhece o valor do trabalho literário de Manuel
Jorge Marmelo (...) tem aqui um exemplo heterogéneo capaz de provar de muitos modos que mais vale esquecer os escaparates de bestsellers e dedicar o tempo de leitura a autores com nervo, estilo e alguma loucura na escrita.
Idem