Manuel Jorge Marmelo nasceu em 1971, na cidade do Porto.

Estreou-se na Literatura em 1996 com o livro “O homem que julgou morrer de amor/O casal virtual”, reeditado em 2006. O seu segundo livro, “Portugués, guapo y matador”, publicado em 1997, foi objecto de uma adaptação teatral, estreada no Porto em Abril de 1999. Em 1998 publicou o seu terceiro título, “Nome de tango”.

Em Maio de 1999 saiu o seu quarto livro, também publicado em Espanha (2005) e em Itália (2008).

"O Amor é para os Parvos", lançado em Junho de 2000, foi objecto de quatro
reedições, a última das quais em 2011.

Em Dezembro de 2001 saiu “Sertão Dourado”, e, em Fevereiro de 2002,“Paixões & Embirrações”, uma colectânea de crónicas e reportagens.

Em Fevereiro de 2003 publicou “Oito Cidades e Uma Carta de Amor”, um livro de contos ilustrados por fotografias captadas nas cidades de Budapeste, Praga, Amesterdão, Paris, Londres, Madrid, Nova Iorque e Salvador. No mesmo ano, mas em Novembro, o autor publicou ainda o seu primeiro livro infantil, “A Menina Gigante”, escrito em parecia com a sua filha, Maria Miguel Marmelo, e ilustrado por Simona Traina, o qual integra a lista de livros recomendados pelo Plano Nacional de Leitura.

Em 2004 publicou, na Asa, "Os Fantasmas de Pessoa", romance que integra a colecção "Literatura ou Morte" (a qual conta com obras de autores como Rubem Fonseca, Luís Fernando Veríssimo, Bernardo Carvalho ou Moacyr Scliar, entre outros) e “O Silêncio de um Homem Só”, uma colectânea de quinze contos galardoada com o Grande Prémio do Conto Camilo Castelo Branco.

Em 2005, saiu “Os Olhos do Homem que Chorava no Rio”, escrito em parceria com a poeta angolana Ana Paula Tavares, a partir de uma ideia original do escritor brasileiro Paulinho Assunção (edição da Editorial Caminho). Ainda em 2005, o autor regressou à literatura infantil com o livro “O Peixe Baltazar”, escrito com o filho, Jorge Afonso Marmelo, e ilustrado por Joana Quental (edição Quasi Edições).

Em 2006 saiu “Porto: Orgulho e Ressentimento”, um conjunto de textos impressivos sobre a cidade do Porto, o guia de viagens “Porto Irrepetível”, da editora catalã Austral Media (já em quarta edição em Espanha), e ainda o livro infantil “Zé do Saco, O Contrabandista”, ilustrado por Evelina Oliveira.

Em Fevereiro de 2007 apresentou o romance "Aonde o Vento me Levar", que teve uma
segunda edição em 2012. Ainda em 2007 lançou a colectânea de contos "O Profundo
Silêncio das Manhãs de Domingo".

No início de 2008 saiu, com ilustração do espanhol Miguel Macho, o seu quarto título infantil, "A Cabra Imigrante", integrado no projecto Pintar o Verde com Letras, da Direcção Regional de Cultura do Norte. Em Outubro foi publicado, pela Quetzal, o romance“As Sereias do Mindelo”.

Em 2011 saiu "Uma Mentira Mil Vezes Repetida", romance que mereceu aplauso unânime
da crítica e conquistou o prestigiado Prémio Literário Casino da Póvoa/Correntes d'Escritas 2014.

Em 2012 foi lançado "Somos Todos Um Bocado Ciganos".

Em 2013 publicou, em edição independente, Crónicas do Autocarro e o livro de contos Zero à Esquerda.

Em 2014 chegou às livrarias o romance O Tempo Morto É Um Bom Lugar e também a novela A Guerra Nunca Acaba, parte de uma colecção de ficção laçada pela revista Sábado para assinalar o centenário da I Grande Guerra.

Macaco Infinito, publicado em 2016, é o mais recente romance do autor, integrando a lista de obras sugeridas pelo Plano Nacional de Leitura.

Em 2018, o original Henrique Quinto foi um dos finalistas do Prémio Leya.